Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

| February 23, 2018

Scroll to top

Top

KEN

KENJUTSU

O Kenjutsu (a arte da espada) é reconhecido geralmente como arte combativa.

Começa sempre com a espada desembainhada, já com uma intenção agressiva. Os ensinos sistemáticos históricos primeiramente registrados da espada longa japonesa começaram aproximadamente em 800 d.C. Desde esse tempo, de cerca de 1.200 estilos (escolas) foram documentados. Muitos praticantes do kenjutsu começaram a questionar se uma compreensão mais elevada poderia ser conseguida com a prática e o estudo com a espada. Assim, o kenshi (espadachim) transformou a “arte da espada” (kenjutsu) em um “caminho da espada” (kendo). Daí surgiu o kendô, por volta do século II.

Kenjutsu é considerado um bujutsu clássico (arte da guerra ou arte marcial), sendo formulado bem antes do reforma de Meiji (o clássico/moderno, que divide a linha). O Ryu clássico do Kenjutsu (escolas) tende a ser completamente secreto no que diz respeito à prática de suas técnicas, sendo muito fechada a pessoas de fora da Arte. O Ryu clássico do Kenjutsu é o mais próximo ao treinamento clássico do guerreiro no mundo moderno. Os exemplos são Yagyu Shinkage Ryu, e Tenshin Shoden Katori Shinto Ryu.

A utilização da Katana, dentro da vestimenta do Kenjutsu tradicional, consiste geralmente do hakama, no keikogi e da obi (faixa).

 

 

Os Kata (seqüência de movimentos formulados ou exercícios) é a maneira usual de aprender os movimentos intricados requeridos. Inicialmente pratica-se individualmente, mas pode-se praticar em dupla ou até mesmo com múltiplos indivíduos. A ferramenta padrão da prática é a bokken (espada de madeira simulada) ou uma lâmina real. O corte real, e o golpe da lâmina contra feixes amarrados e caules de bambu, chamado de tameshigiri, dão à prática mais avançada do Ryusha (praticante de um estilo) o impacto real da lâmina de encontro a um alvo.

Geralmente (mas não sempre) em artes marciais japonesas, os objetivos do “Do” são para melhorar o interior, enquanto os do “jutsu” concentram-se em ensinar as técnicas da guerra. Note que isto é uma convenção moderna, não algo que reflete o uso histórico dos sufixos: o que nós chamamos agora de Kenjutsu pode uma vez ter sido usado como o Kendo. A convenção da terminologia de jutsu/do tal como é usada no ocidente foi popularizada em sua maior parte por Draeger. Definindo terminologicamente, a arte de ganhar lutas reais com espadas reais é kenjutsu. O objetivo preliminar do kenjutsu é vitória sobre oponentes; o objetivo preliminar do kendô é melhorar-se com o estudo da espada.

O kendô tem também um aspecto forte, grandes campeonatos, assistidos avidamente pelo público japonês. Assim, o Kendô pode ser considerado o aspecto filosófico/esportivo japonês.

 

 

Em termos de aprendizagem, o Kenjutsu tem um currículo mais completo. No Kendô, a necessidade limita a escala das técnicas e dos alvos. Os praticantes de Kenjutsu não usam geralmente o shinai no treinamento, preferindo usar bokken (espadas de madeira) ou Kataná (espadas de aço) a fim de preservar as técnicas do corte da luta real da espada. O treinamento de Kenjutsu consiste em praticar a técnica do corte e executar o Katá com o parceiro. Por razões de segurança, a prática livre é raramente feita com Kataná.

KENJUTSU – HISTÓRICO

A história da cultura japonesa é repleta de episódios com a espada. De fato, um dos três objetos de posse sagrados de um imperador, era a espada. Os outros dois são a jóia e o espelho.

A lenda antiga do xintoísmo diz que uma divindade mergulhou uma Kataná no mar e das gotas d’água que pingaram da ponta nasceram as ilhas do Japão. Um cínico caracterizou a história do Japão como muitos povos que lutam sobre pouca terra. A espada e seu uso foram dados forma pela história da terra e de seus povos. Primeiramente, a lâmina transformou-se uma arma muito eficaz do corte, uniforme de encontro à armadura. E dois, sua distribuição mudou, o que permitiu a ascensão de um estilo distinto da espada japonesa.

 

A fim de cultivar e melhorar a espada, como uma arma e como uma forma de arte, duas circunstâncias foram requeridas. Primeiramente, deveria haver uma estabilidade suficiente para que fabricantes pudessem praticar seu comércio sem riscos de mercado. A maioria das batalhas lendárias do folclore japonês ocorreu neste período de tempo. No início, as batalhas eram entre a raça que nós chamamos agora de japoneses, e os povos indígenas, chamados Ainu ou Emishi. As batalhas eram furiosas, e o líder do exército do imperador foi chamado de Taishogun, encurtado mais tarde para Shogun, a autoridade militar última do Japão.

 

Mais tarde, a guerra de Gempei entre os Taira e os clãs de Miyamoto, documentadas como as guerras entre os clãs que se esforçam para a supremacia. Miyamoto ganhou eventualmente, colocando a reivindicação ao título Shogun em seu líder; depois do qual o imperador declarou que somente os descendentes de Miyamoto poderiam colocar a reivindicação ao título.

 

No fim do século I, três grandes generais levantaram-se, cada um na sucessão, e todos unificaram o país sob uma liderança: Oda Nobunaga, Hideyoshi Toyotomi, e Ieyesu Tokugawa. Quando Tokugawa derrubou seu último rival na batalha de Sekigahara em setembro de 1600, unificou o País sob um governo pela primeira vez em 800 anos. Porque Ieyesu poderia reivindicar o sangue de Miyamoto, reivindicou também o título de Shogun para si próprio e seus herdeiros. Sua era, Kamakura moveu o centro do governo para Edo, chamado hoje Tóquio. Nos 268 anos seguintes, o Shogunato Tokugawa governou a terra em paz.

 

E com Paz, veio o declínio na prática da espada, entretanto pequenos grupos tradicionalistas recusaram-se a esquecer os modos antigos. Os escritos destes Kenshi são citados ainda hoje como exemplos de grandes obras. Miyamoto Musashi e Tsunemoto Yamamoto são considerados ainda como os Kensai (santos da espada) no folclore japonês. Com a paz, vieram o guerreiro ou o ronin desempregado (literalmente “acene o homem”). Tokugawa tentou converter guerreiros em burocratas, para funcionar o governo. O Tokugawa pode ter governado na paz, mas prenderam um punho de ferro para fazer assim. A parte de sua maneira controlar o fluxo da sociedade japonesa devia estabelecer um sistema de castas.

 

Havia quatro classes dos povos em ordem descendente, em samurai (realeza), em fazendeiros, em artesãos, e em comerciantes. Aqueles que eram tradicionais guerreiros de fazendeiros não poderiam usar nenhuma das espadas mais longas, somente o samurai poderia desgastar o emblema oficial do escritório, a espada. E Tokugawa fechou também as costas de Japão ao mundo exterior, executando todos os intrusos e permitindo somente que um único console pequeno perto de Kagoshima no sul seja visitado uma vez um ano por comerciantes de Portugal.
No geral, a espada e sua prática continuaram a declinar durante este tempo em uma maneira gradual. Em 1854, os navios do americanos inscreveram a baía de Tóquio e exigiram negociar aberto com o Japão.

 

Mas sobre Tokugawa era exercido pressão por forças internas para virar o jogo. A única maneira que Tokugawa poderia ver para preservar qualquer medida de controle limitado devia retornar a potência ao imperador. E assim em 1868, Tokugawa desceu sua posição, retornando a potência ao imperador Meiji, começando o reforma Meiji.

 

O Japão tinha incorporado a volta industrial. O samurai debandou, oficialmente, pelo imperador Meiji. Mais tarde, foram excluídos do emblema oficial do escritório, desgastar das duas espadas, em 1877. Isto deu a ascensão à última batalha grande, a rebelião do Satsuma em dezembro 1877 a janeiro 1878. O Satsuma recusou obedecer e lutou com o exército recrutado do governo (com armas modernas) em Kagoshima no sul. O samurai foi morto e seu martírio transformou-se um símbolo para os praticantes.

 

O período moderno da espada foi caracterizado por um declínio maior e mais uniforme. O Samurai foi forçado a dar exibições a fim tentar ganhar dinheiro.
As artes da espada são divididas em diversas maneiras. Primeiramente é pelo tipo, ken ou o iai (chamado às vezes batto). Também ao mesmo tempo dividem-se pela origem, as três famílias de artes da espada; Estilos de Muso (“esvaziar”), de Kage (“sombra”), e de Shinto (“espada nova”). Alguns tipos misturam este, a depender da origem e da aplicação. Dentro de cada tipo estão os três estilos